Biologia do medo e a aprendizagem das crianças acolhidas em instituição

Interações com animais

Autores

  • Rute Rocha Universidade do Algarve, Portugal (rcrocha@ualg.pt) https://orcid.org/0000-0001-6075-5657
  • Graça Viegas Centro de Acolhimento, Portugal
  • Ana Colaço Centro de Acolhimento, Portugal
  • Lília Vaz Centro de Acolhimento, Portugal
  • Manuela Rosa Silva Centro de Acolhimento, Portugal
  • Elisabete Santos Centro de Acolhimento, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.23882/NE2150

Palavras-chave:

biologia do medo, crianças acolhidas em instituição, interação com animais, neuroaprendizagem, centro de acolhimento

Resumo

Neste documento propomo-nos descrever uma intervenção educativa num Centro de Acolhimento de crianças, na qual implementámos um conjunto de atividades, que permitiram que um grupo de doze crianças interagisse com animais não humanos. Das diversas atividades realizadas, iremos expor duas delas, que se designam: «Atrair aves para o jardim da instituição de acolhimento» e «Formigando».

Com a apresentação destas duas atividades, pretendemos demonstrar uma forma de promover diversas aprendizagens em crianças acolhidas em instituição, com elevada vulnerabilidade vivencial e emocional, fundamentando as nossas opções em estudos da neuroaprendizagem, da biologia do medo e das interações com animais.

Durante toda a intervenção educativa, foi nosso propósito possibilitar às crianças momentos de aprendizagem e de bem-estar, no qual o «humano» se desenvolvesse através do «não humano» e que as mesmas estabelecessem ligações neuronais concorrentes com ligações prévias, em que o medo era prevalente.

Esta intervenção educativa foi desenvolvida no âmbito de uma parceria entre a Universidade do Algarve e o referido Centro de Acolhimento, na qual um grupo de doze crianças interagiu com animais não humanos, nomeadamente aves e formigas.

Referências

Damásio, A. (1999). O sentimento de si. O corpo, a emoção e a neurobiologia da consciência. Lisboa: Europa-América.

Hebb, D. (1949). The Organization of Behavior. A Neuropsychological Theory. New York: John Wiley & Sons.

Hodges. J., & Tizard, B. (1989). IQ and Behavioural Adjustment of Ex‐Institutional Adolescents. The Journal of Child Psychology and Psychiatry, 30(1), 53-75. https://doi.org/10.1111/j.1469-7610.1989.tb00769.x

Howe, A. (2002). As ciências na educação de infância (pp. 503-526). In B. Spodek (Org.). Manual de investigação em Educação de Infância. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Fialho, I. (2007) A ciência experimental no jardim-de-infância. Departamento de Pedagogia e Educação Universidade de Évora. http://hdl.handle.net/10174/5093

Fonseca, V. (2016). Importância das emoções na aprendizagem: uma abordagem neuropsicopedagógica. Revista Psicopedagogia, 33(102), 365-384.

Lopes da Silva, I., Marques, L., Mata. L., & Rosa. M. (2016). Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar. Lisboa: Editorial do Ministério da Educação. Direção Geral da Educação.

Louv, R. (2008). Last child in the woods. Saving our children from nature-deficit disorder. USA: Algonquin Books and Chapel Hill.

Monteiro, R. (2014). Young zoo visitors’ prior knowledge: Challenges for environmental and science education? At crossroads of EE and Science Education: A collaborative research agenda. International Research Symposium. Faculty of Education, University of Ottawa, Canada. 9 Oct. 2014.

Monteiro, R. (2017). O medo e o stress e os efeitos dos mesmos no desenvolvimento da criança. Uma olhar da ciência. I Congresso de Justiça Restaurativa da Família e das Crianças. Claustro Sul do Palácio Nacional de Mafra, Portugal.

Monteiro, R., & Reis, G. (2014). Interspecies human encounters as learning opportunities in/for environmental education. 43rd North American Association for Environmental Education (NAAEE). Conference 8-10 Oct. Ottawa, Canada. http://dx.doi.org/10.13140/2.1.3195.6481

Monteiro, R., & Reis, G. (2017). Keep calm and touch the crocodile: the discourse mediation of human-nonhuman interspecies interactions. Canadian Society for the Study of Education (CSSE). Annual Conference Reyerson University, Toronto, May 2017.

Monteiro, R., & Reis, G. (2020). Animals ‘Я’ us: Egomorphism in/for Science and Environmental Education. Society & Animals, 28(5-6), 592-612. https://doi.org/10.1163/15685306-12341526

Neves, J., & Monteiro, R. (2014). How full is your luggage? Background knowledge of zoo visitors regarding sharks. Environmental Education Research, 20(3), 291-312. https://doi.org/10.1080/13504622.2013.780586

Tizard, B., & Hodges, J. (1978). The effect of early institutional rearing on the development of eight-year-old children. Child Development, 43, 337-358.

Downloads

Publicado

2021-07-07

Como Citar

Rocha, R. ., Viegas, G., Colaço, A., Vaz, L., Silva, M. R., & Santos, E. (2021). Biologia do medo e a aprendizagem das crianças acolhidas em instituição: Interações com animais. RevistaMultidisciplinar, 3(2), 83–91. https://doi.org/10.23882/NE2150