O perfil do aluno como ponto de partida na definição de estratégias individuais potenciadoras do desempenho académico

Autores

  • Ana Cristina Baptista Akademia, Lisboa, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.23882/NE2147

Palavras-chave:

autorregulação, desempenho académico, neuroeducação, estratégias pedagógicas

Resumo

A Neuroeducação veio integrar nos processos de ensino e aprendizagem os avanços registados nas áreas das neurociências. Estas, ao possibilitarem o mapeamento dos circuitos cerebrais, potenciam o conhecimento do individuo e permitem o aperfeiçoamento das estruturas funcionais limitantes da aprendizagem. O objetivo primordial da Neuroeducação centra-se então na otimização do rendimento do indivíduo, privilegiando a sua singularidade, através da autorregulação e da potenciação das capacidades executivas. Neste contexto, o ponto de partida deverá ser a elaboração do perfil do aluno. Este, além de sinalizar o nível académico, emocional e motivacional geral do aluno, permite criar uma matriz de informação, estruturar as atividades e estratégias a desenvolver sustentando um trabalho pedagógico de base individualizada. Este recurso permite tornar os alunos agentes da sua aprendizagem, autopercecionando, a cada momento, o ponto em que se encontram relativamente aos objetivos finais, autorregulando o seu desempenho e adaptando-se aos desafios que terão de enfrentar.

Referências

Akademia. (2020). Soluções educativas para crianças e jovens. Retrieved from http://www.akademia.pt/

Bacon, F. (1903) The Essaies of Sr. Francis Bacon ... His Religious Meditations. Places of Perswasion and Disswasion. Seene and Allowed. Volume 2 de The Bibliographer. H. Hooper (edits.), New York

Byrnes, J. P. (2001). Minds, Brains, and Learning: Understanding the Psychological and Educational Relevance of Neuroscientific Research. Guilford books New York

Dias, P. D., & Veiga Simão, A. M. (2007). O conhecimento estratégico e a auto-regulação do aprendente. In A. M. Veiga Simão, A. Lopes da Silva, & I. Sá (Orgs.). Auto-regulação da aprendizagem (pp.93-130). Portugal: EDUCA

Marques, A. C. (2014, Sept 25). Eduardo Sá: "Os bons filhos são aqueles que nos trazem problemas". Observador. Retrieved from https://observador.pt/2014/09/25/eduardo-sa-os-bons-filhos-sao-aqueles-que-nos-trazem-problemas/

OECD. (2017). Education at a Glance 2017: OECD Indicators. OECD Publishing, Paris.

Ortiz T., & Saldanha, A. (2017). Guia de Intervenção em Neuroeducação. Coisas de Ler, Lisboa

Rato, J., & Caldas, A. C. (2017). Quando o cérebro do seu filho vai à escola : boas práticas para melhor a aprendizagem. Verso da Kapa, Lisboa

Willis, J. (2017). Why teacher education should include neuroscience. Retrieved from https://www.teachthought.com/pedagogy/why-teacher-education-should-include-neuroscience/

Downloads

Publicado

2021-07-07

Como Citar

Baptista, A. C. (2021). O perfil do aluno como ponto de partida na definição de estratégias individuais potenciadoras do desempenho académico. RevistaMultidisciplinar, 3(2), 61–65. https://doi.org/10.23882/NE2147